Nilópolis Online
Notícias de Nilópolis todos os dias

Publicidade

Calazans se diz surpreso com condenação e vai recorrer da decisão

CALAZANS
A capa do Jornal Extra. Foto: Marcio Santos

O prefeito Alessandro Calazans divulgou, por meio do chefe de Gabinete Márcio Ferreira, que ficou surpreso com a decisão do Tribunal de Justiça, que suspendeu os seus direitos políticos por cinco anos. Calazans afirma também que irá recorrer da decisão.

A Ação Civil Pública de Improbidade Administrativa, foi impetrada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, para condenar Calazans ainda quando era deputado estadual, beneficiou o bicheiro Carlinhos Cachoeira na CPI da Loterj (Loteria Estadual). Confira abaixo a integra da decisão:

“Pelo exposto julgo procedente o pedido formulado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro na presente Ação Civil Publica de Improbidade Administrativa para condenar o réu Alessandro Alves Calazans nas penas do artigo 12 inciso III da Lei 8.429/92, por agir desonestamente, participando de negociata destinada a influir nos destinos da CPI da ALERJ por ele presidida, em afronta ao princípio da lealdade à instituição pública da qual era integrante, configurando-se ato de improbidade tipificado no artigo 11, da lei 8.429/92. Passo a fixar sua pena consoante o grau de sua culpabilidade: Tendo em vista que o réu era Deputado Estadual, em função de comando na Presidência da CPI da ALERJ, e como tal, adstrito ao cumprimento e à defesa dos valores e princípios constitucionais fundamentais da administração pública, quais sejam, da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência administrativa, que foram dolosamente violados com a participação na negociata destinada a influir nos destinos da CPI pelo mesmo presidida, efetivada sem o procedimento estatuído no artigo 37 da CRFB, suspendo seus direitos políticos por 5 (cinco) anos, proibindo-o de CONTRATAR com o Poder Público ou RECEBER BENEFÍCIOS OU INCENTIVOS FISCAIS OU CREDITÍCIOS DIRETA OU INDIRETAMENTE AINDA QUE POR INTERMÉDIO DE PESSOA JURÍDICA pelo prazo de 3 anos, CONDENANDO-O AO PAGAMENTO DE MULTA CIVIL NO VALOR CORRESPONDENTE A 10 (DEZ) VEZES A REMUNERAÇÃO MENSAL RECEBIDA PELO MESMO COMO DEPUTADO ESTADUAL. Em consequência, JULGO EXTINTO O FEITO COM JULGAMENTO DO MÉRITO, na forma do artigo 269, inciso I do Código de Processo Civil. Condeno-o, ainda, ao pagamento das custas judiciais. Deixo de condená-lo na verba honorária nos termos do posicionamento adotado pelo STJ que, em simetria de tratamento, reconheceu que não poderá o Parquet se beneficiar de honorários quando for vencedor em ACP, eis que somente pagará sucumbência quando agir com comprovada má-fé, afastando a regra geral do art.20 do CPC. Após o trânsito em julgado, com as devidas e necessárias comunicações, dê-se baixa e arquivem-se os autos. P.R.I. Rio de Janeiro, 08 de julho de 2013 ROSELI NALIN Juiz de Direito”

Jornais sumiram das bancas

A edição de hoje do Jornal Extra que estampava a manchete sobre a condenação de Calazans se esgotou rapidamente das bancas de Nilópolis. Quem procurava pela edição após às 9h já não a encontrava. Em algumas bancas, todas as unidades recebidas se esgotaram em 20 minutos. De acordo com vendedor que trabalha no Centro de Nilópolis, 40 edições do jornal foram compradas por um homem e as restantes se esgotaram ainda nas primeiras da manhã.

Nas redes sociais e nas ruas, o assunto foi o mais comentado e a pergunta agora é como ficará o futuro da cidade.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais