Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
Utilidade Pública

Instituto Cristo Vive acolhe e resgata dignidade de moradores de rua em Nilópolis

Adicione nosso número de WhatsApp: +55 (21) 98946-3738 e envie uma mensagem com o texto "NILÓPOLIS" e receba, com exclusividade, as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet.

Por diversos motivos, eles saíram de casa e fizeram das calçadas, viadutos, entre os lugares mais improváveis uma moradia para viver.

Com o propósito de resgatar a dignidade, a autoestima e a socialização de homens e mulheres que vivem em condições de vulnerabilidade, o Centro Comunitário Cristo Vive, presidido pelo pastor André Dantas Lopes, trabalha há 18 anos com dependentes químicos e moradores de rua.

Recentemente a instituição acolheu Roberto Correia Rodrigues e José Paulo Cardoso Abrandes. Em comum, além de terem problemas mentais, eles viviam perambulando pelas ruas de Nilópolis e por conta da situação em que viviam receberam um apelido, que para muitos era sinal de chacota, mas para estes idosos era na verdade uma grande humilhação. Eles eram os “Cheirosos de Nilópolis”.

JOSÉ PAULO CARDOSO ABRANTES
O antes e o depois de José Paulo Cardoso Abrandes. Foto: Divulgação

Eram, por que desde a última segunda-feira (28/01) não existem mais os “cheirosos”. A retomada da dignidade de ambos começou há cerca de um ano e meio quando José Paulo Cardoso Abrandes foi resgatado pelo presidente do Centro Comunitário Cristo Vive, pastor André Dantas Lopes. “Usamos apenas a oração para convencê-lo a vir para o centro. Assim que chegou demos banho e limpeza higiênica e iniciamos um processo de reabilitação. Hoje José Paulo, que antes só queria comer comida do lixo e não falava (resultado dos maus tratos sofridos nas ruas), tem uma vida totalmente diferente. Ele fala normalmente, toma seu remédio controlado, come civilizadamente no prato e como uso de talheres como todos, faz a oração do pai nosso. Cada dia é uma melhora e uma conquista”, conta a secretária do Centro Comunitário Cristo Vive, Josilene Souza.

ROBERTO CORREA RODRIGUES
O antes e o depois de Roberto Correa Rodrigues. Foto: Divulgação

Mas ainda havia mais um “cheiroso” perambulando pelas ruas de Nilópolis. Roberto Correia Rodrigues vivia circulando há anos nas redondezas do Calçadão da Avenida Mirandela. Mais arredio, ele não gostava que ninguém chegasse perto para oferecer ajuda, não aceitava sequer conversar. Apesar da dificuldade inicial, o grupo que trabalha no Centro Comunitário Cristo Vive conseguiu após muita conversa e paciência levar o Sr. Roberto para o abrigo. Ele passou pelos mesmos procedimentos de limpeza e banho e o tratamento só está no começo. “Estamos tratando dele aos poucos, o mesmo se encontra com uma enorme ferida em sua perna direita. Por ter se machucado nas rua e não ter tratado o ferimento ele foi se agravando, mas também estamos tratando com a ajuda de profissionais voluntários da área da saúde”, relata Josilene.

Doações mantém a instituição

A instituição Centro Comunitário Cristo Vive tem atualmente três casas em funcionamento: a sede no bairro da Chatuba, em Mesquita, o Sitio Missionário, em Seropédica e o asilo onde o José e o Roberto se encontram, localizado na Rua Olga Hermont, 934, Centro, Nilópolis. Nos três locais são atendidos 80 homens, entre jovens e idosos. Eles recebem cinco Refeições (café da manhã, almoço, lanche da tarde, janta e ceia no fim da noite).

CRISTO VIVE
Parte da equipe de atendimento e os acolhidos. Foto: Divulgação

Para manter a estrutura o Centro Comunitário Cristo Vive vive de doações e do dizimo e da oferta da Igreja Missionária Pronto Socorro de Jesus, localizada na Chatuba (Mesquita) em funcionamento há 19 anos. Quem quiser ajudar com o trabalho pode estar levando sua doação diretamente na Rua Olga Hermont, 934, Centro, Nilópolis, ou fazendo sua doação através das contas bancárias: 0190/033/00005438-0 (Caixa Econômica Federal) ou Ag:6009 C.C 19982-6 (Banco Itaú).

“Estamos precisando prioritariamente de objetos para curativos, como ataduras, gazes, pomadas e rifocina em spray. Estes são os materiais que estamos usando com mais frequência por causa da ferida do Sr. Roberto, mas toda a ajuda é sempre bem-vinda”, concluiu a secretária Josilene.

Publicidade