Centro Religiosos

Nilópolis celebra o Dia de São Jorge nesta terça (23)

SÃO JORGE
Missa será aos pés da imagem do Santo. Foto: Divulgação
Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou pelo Telegram CLIQUE AQUI
Adicione nosso número de WhatsApp: +55 (21) 98946-3738 e envie uma mensagem com o texto "NILÓPOLIS" e receba, com exclusividade, as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet.

No dia 23 de abril a Igreja Católica reverencia São Jorge, um dos santos mais venerados por seus fiéis. Já na Umbanda esse dia é dedicado a Ogum, o Orixá Guerreiro. Mas muitos Candomblecistas com passagem pela Umbanda também festejam Ògún nesta data. Já os Candomblés tradicionais festejam Ògún (em yorubá, senhor da luta, senhor da guerra) no mês de Junho.

As homenagens começam já nas primeiras horas do dia. Diversos fiéis se preparam para fazer a tradicional queima de fogos à meia-noite. O ritual também é feito por terreiros onde as festas entram pela madrugada e só acabam no amanhecer.

Em Nilópolis não há nenhuma igreja católica dedicada ao Santo Guerreiro, mas o G.R.E.S. Beija-Flor de Nilópolis mantém viva a tradição de homenagear São Jorge. Padroeiro da agremiação, o santo será homenageado nesta terça-feira de duas formas. O início dos festejos se dará às 5h, com a tradicional Alvorada na quadra da escola. Já às 18h, uma missa será celebrada em louvor ao Santo Guerreiro.

A quadra do G.R.E.S. Beija-Flor de Nilópolis fica na Rua Pracinha Wallace Paes Leme, 1025, Centro. A entrada é gratuita.

Santo Guerreiro

No Rio de Janeiro, a popularidade do santo é tamanha que, em 2008 a Assembleia Legislativa do Estado (Alerj) tornou o feriado estadual. Acredita-se que São Jorge tenha sido um soldado romano da guarda de Diocleciano que teria se recusado a perseguir cristãos no século IV e acabou sendo morto por causa disso. Sua vida é envolta em lendas, como a de que teria matado um dragão. Como ele teria vivido antes da separação das igrejas cristãs, é venerado não só na Igreja Católica, como também na Igreja Anglicana e na Igreja Ortodoxa.

Ogum

Ogum é o Senhor dos caminhos, patrono da agricultura do povo Yorubá, por isso aqui no Brasil este Orixá representa a luta pela sobrevivência. É o Orixá dono do ferro e de todos os utensílios feitos deste metal. Protege os maquinistas, motoristas, pilotos, engenheiros, mecânicos, lutadores de artes marciais, soldados e cirurgiões, já que o bisturi a ele pertence.

Publicidade