Nilópolis Online
Notícias de Nilópolis todo dia

Seleção Sub-30

Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou Telegram CLIQUE AQUI

Um primeiro tempo tenebroso. Assim começou a caminhada da seleção canarinho na Copa América. Deu sono, vontade de dormir, fazer outra coisa. A competição está cada vez mais desvalorizada, pois o nível das equipes é muito inferior comparado a Brasil, Argentina e Uruguai. Mas, isso é culpa da Conmebol (federação de futebol da América do Sul)

Eu esperava uns 7 a 0 pelo menos. A Bolívia é historicamente um time fraco e sem graça. Mesmo com a ausência de Neymar Marra, a seleção brasileira é maior que todos esses pequenos times. Depois da vaia da torcida paulista, na etapa final os brasileiros marcaram dois gols por Coutinho e um belíssimo com Cebolinha, um jovem jogador interessante que merece ter muito mais espaço.

Uma pena ver que o técnico Titio tem medo. Muito medo. Teme perder seu emprego! Por isso, para ganhar a competição trouxe jogadores mais velhos. É lamentável, pois isso vai prejudicar a montagem de um time para a próxima Copa. Que saudades do Brasileirão…

Joga no Caldeirão

“Vem para o caldeirão e fica na palma da mão”. Parece um refrão de um funk ou canto de torcida. Essa é a definição de São Januário no mundo do futebol. Um pequeno estado aconchegante e palco de conquistas históricas.

Infelizmente, não vinha ocupando esse papel na temporada. Porém, o Vasco é glória, raça e paixão.
Não importa a tática, falta de técnica ou chutão para frente. Ganhar em casa é obrigação! O Vasco fez valer a sua escrita. O primeiro tempo o rolo compressor vascaíno chegou a impor 69% de posse de bola, sem nenhuma finalização do adversário. Só faltou o gol.

Já na segunda etapa, o gol tinha que sair e veio. Enquanto o adversário se perdeu na pontaria e não aproveitou os contra-ataques, o time casaca veio cumprir seu papel, mesmo abrindo espaços, com muitas reclamações de sua torcida. Danilo O Cara Certo com uma cabeçada, confirmada pelo VAR, fez a alegria da nação vascaína.
Escapar da zona da confusão e retornar ao caminho das vitórias. Nada mais lindo do que esse novo ambiente proporcionado por Santo Luxemburgo. O céu é o limite?

Por que isso só acontece no Botafogo?

A torcida esperava show. Eduardo Barriga está em evidência, seja por sua coragem, por sua competência ou seu jeito folclórico. Não foi suficiente dessa vez. O adversário Gaúcho chegou com desfalques de seus maiores destaques. Não era para ter pena, Botafogo. No primeiro tempo, a lateral direita foi avenida para os Gaúchos. Fizeram de tudo por lá. Mesmo com a marcação alta do adversário, os cariocas não souberam tirar proveito.

Erik Velocista ficou mais preso a marcação. Um grande desperdício! Diego Show tentou! Movimentação não faltou! Mas as bolas chegaram quadradas. No segundo tempo, as mexidas de Barriga não surtiram efeito, nem o crescimento de seu time se concretizou. Com um gol de bola parada aos 35 minutos do segundo tempo, o Grêmio abriu o placar. Cetamente, o pior jogo na era Eduardo Barriga.

Deu pro Gasto.

O milionário flamengo ficou devendo, mas fez a sua parte. Jogar em Brasília é estar em casa. Em um primeiro tempo apático, a equipe não conseguiu abrir o placar. Com quase 70% de posse de bola, faltava o gol e sobrava enrolação. O grande destaque foi um suposto pênalti analisado pelo Var cometido por Willian Lentão. O lance foi tão controverso, que o adversário pensa em pedir anulação do jogo pela não marcação da penalidade. Menos…

Na etapa final, liderados por Evérton Ribeirão , o time conseguiu fazer valer sua superioridade técnica. Vitão abriu o placar. Após passe de Ribeirão, o jogador subiu para finalmente marcar de cabeça. E teve mais! Gabriel Quase Gol aproveitou um rebote do goleiro, após uma bela jogada de Willian Lentão.

Mais uma vez, vimos muitos gols perdidos . O grande mérito é de que o técnico Fera não sofreu gol nas quatro partidas sob o comando do time. Agora é com Jesus…

Sem Vitórias.

Liderados por P.H Marreco, o Superflu foi longe. No Campeonato? Não! Chegou a Santa Catarina para encarar a equipe de Chapecó na última rodada antes da parada da Copa América.

A bagagem carregava um time sub23. O resultado: um empate indigesto por 1 a 1. Mesmo jogando fora de casa, o destaque de Marreco pelo gol marcado e seu toque de classe deram o tom da atuação tricolor.  A barreira Agenor no gol mostrou –se segura como sempre. Mas o jovem Allan Nervosinho quis botar tudo a perder. Por reclamação, acabou expulso no fim do jogo e colocou a equipe em grandes dificuldades.

As ausências de Ligeirinho (lesionado), Everaldo Esquerda (negociado ao Coringão) e Luciano Gol Fácil ( vive uma indecisão se permanece no clube) geraram grande perda. Juntos somaram 30 gols na temporada. Resta torcer para o retorno deles e vinda de atletas qualificados até a volta das competições.

Eu sou o Fernando, Youtuber, jornalista (segundo o STF), colunista do facebook,, nerd demais, amante de vingadores . Espero você no meu instagram @fernandoemaciel. Você também me encontra lá no Youtube no canal Eamigo: www.youtube.com/channel/UCM9e1ltiyd2GYE5FpzBn2Aw. Deixe sua opinião.
você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais