Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
Bienal do Livro

Livro “A ascensão do bolsonarismo no Brasil do Século XXI” é lançada na Bienal

BIENAL DO LIVRO
Washington Alves/Light Press - Divulgação Oficial
Clique AQUI e receba, com exclusividade, as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet.

No dia 7 de outubro de 2018, o candidato do Partido Social Liberal (PSL) à Presidência da República Federativa do Brasil, Jair Messias Bolsonaro, recebeu os votos de 49.276.990 brasileiros durante o primeiro turno das Eleições: 46,03% dos votos válidos. Por uma margem pequena, o ex-capitão do Exército Brasileiro não assumiu a chefia do Executivo na primeira instância do pleito e sem contraproposta a ser avaliada no segundo turno.

De acordo com o autor e jornalista Cesar Calejon, esse é um fato ainda mais significativo do que a própria eleição de Bolsonaro no segundo turno, com 57.797.464 votos. Na obra A ascensão do bolsonarismo no Brasil do século XXI, publicada pela Lura Editorial, Cesar explica que cinco grandes forças motivaram a votação maciça que o até então deputado federal teve na eleição presidencial de 2018: o antipetismo, o elitismo histórico, o dogma religioso, o “sentimento de antissistema” e a disseminação de notícias falsas ou discurso de ódio e medo a partir do uso de ferramentas como WhatsApp e Facebook.

A fim de entender como essas forças atuaram para possibilitar essa ascendência, Cesar realizou diversas pesquisas e entrevistas com doutores em Ciência Política e Relações Internacionais, jornalistas, psicólogo, neurocientista, personalidades e profissionais que participaram ativamente dos acontecimentos mais expressivos dos últimos anos, como o ex-ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo e Fernando Haddad, candidato do PT à Presidência em 2018.

Calejon utiliza na obra uma abordagem que reúne o jornalismo e o fotojornalismo na construção da narrativa. Para ilustrar os raciocínios apresentados no título, foram utilizadas imagens do fotojornalista Adriano Vizoni, que cobriu a maioria dos eventos abordados na obra, entre 2013 e 2018, para o jornal Folha de São Paulo.

Os capítulos são organizados de forma cronológica e seguem um valor de importância considerando a influência que cada elemento exerceu para a ascensão do bolsonarismo. Eles apresentam uma análise aprofundada dos temas centrais que permeiam a questão, como: aderência da população às retóricas do ex-capitão; os problemas relacionados à educação básica; a influência da mídia sobre a sociedade brasileira e os grupos internacionais que influenciaram de forma definitiva nas eleições brasileiras de 2018. O autor lembra aos leitores que esses mesmos grupos também foram decisivos para os resultados do Brexit, da eleição de Trump em 2016, entre outros.

CAPA
Foto: Divulgação

Por fim, A ascensão do bolsonarismo no Brasil do século XXI debate quais são as expectativas e possíveis implicações, considerando a interação da administração Bolsonaro com a sociedade internacional até 2022, caso o presidente brasileiro realmente cumpra algumas das promessas que foram feitas.

Independentemente do posicionamento político-partidário, Cesar Calejon tem a intenção de que os leitores, a partir desse livro, entendam que existe uma nova estrutura sociopolítica determinada a partir de 2019, com outros agentes, novos equilíbrios de poder, filosofias distintas, diferentes alianças e narrativas sendo orquestradas para outra elaboração organizacional.

Lançamento da obra:

Data: 31/08 
Horário: às 14h
Local: Bienal Internacional do Livro do Rio
Endereço: Riocentro – Av. Salvador Allende, 6555 – Barra da Tijuca, Rio de Janeiro – RJ
Entrada gratuita

O evento contará com a presença dos autores Cesar Calejon e Adriano Vizoni para uma sessão de autógrafos.

Link para compra: http://bit.ly/2MKB1T7

Sobre os autores: Cesar Calejon é jornalista com especialização em Relações Internacionais pela Fundação Getulio Vargas (FGV), onde obteve o maior Coeficiente de Rendimento Acumulado (somatório das notas obtidas em cada disciplina ministrada) do curso e foi eleito o melhor aluno da turma T4. Durante as duas últimas décadas, atuou em algumas das principais agências de comunicação do Brasil e colaborou redigindo para jornais diários e revistas mensais, tais como Go Outside, Fluir e Venice.

Repórter fotográfico do jornal Folha de São Paulo desde 2009, Adriano Vizoni é um dos profissionais mais respeitados e experientes do jornalismo brasileiro. Formado em jornalismo, Vizoni sempre faz questão de ressaltar os aspectos contraditórios de cada história (o outro lado da moeda) e possui o olhar extremamente treinado pelas exigências da profissão.

Nota: Todas as informações sobre o livro e release acima são de responsabilidades dos autores da obra, Cesar Calejon e Adriano Vizoni.

Publicidade