Bienal do Livro

Livro sobre Alemanha nazista em evidência na Bienal do Rio com Grupo Pensamento

BIENAL DO LIVRO
Washington Alves/Light Press - Divulgação Oficial
Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou pelo Telegram CLIQUE AQUI

Um filho renegado pelo pai. Um pai aparentemente frio. A relação entre Olaf e Hugo Seemann é a temática central da obra A Filha do Reich, título que tem tudo para ser uma das sensações na XIX Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro. O jornalista e historiador Paulo Stucchi estará durante o dia 7 de setembro, no estande do grupo Editorial Pensamento, do selo editorial Jangada.

Com o enredo envolvente, Stucchi construiu uma trama que reúne milagres, traição, amizade, amor e morte em um cenário inusitado: os horrores da Alemanha nazista. Ao receber a notícia da morte do pai Olaf – um ex-soldado alemão refugiado no Brasil – o designer Hugo Seemann viaja para a cidade de Nova Petrópolis, na Serra Gaúcha, para cuidar do funeral.

O que parecia ser uma mera formalidade de despedida torna-se uma intensa jornada ao passado. Durante o período que esteve na cidade gaúcha, Hugo é bombardeado com informações referentes ao passado do pai: uma chave misteriosa, um baú cheio de lembranças, um caderno revelador e cartas enigmáticas.

É com o surgimento de Valesca Proença que Hugo fica ainda mais instigado. Ela lhe mostra uma carta enviada por Olaf à sua mãe, contendo estranhas revelações que contradizem tudo o que achavam que sabiam a respeito de seus respectivos pais. Neste momento, Valesca e Hugo iniciam uma saga para descobrir, muito mais do que suas origens, o passado sombrio de Olaf. A obscura organização – surgida na época do Terceiro Reich – está por trás de um grande segredo: a verdadeira identidade de uma criança conhecida somente como A Filha do Reich.

O livro é perfeito para quem gosta de mistérios e reviravoltas. Os capítulos se alternam entre passado e presente e o autor revela os enigmas em doses homeopáticas, o que motiva o leitor a virar cada vez mais páginas. Além disso, os diálogos prendem e fazem dessa ficção um exercício mental fácil de ser elaborado, em um contexto para lá de estimulante e descrições cheias de detalhes, como é possível verificar no trecho em que o autor apresenta o primeiro milagre da trama:

“Ela caminhou em minha direção sem, aparentemente, ser notada por qualquer soldado. Sorriu para mim de modo discreto, exibindo os dentes podres. Por fim, falou em alemão perfeito: “Vi o que aconteceu. Deve estar doendo muito.” Balancei a cabeça positivamente. Se pedir ajuda a Deus era algo impensável para um soldado alemão, conversar amistosamente com uma prisioneira judia era um crime sem perdão. (…) ela envolveu meu pé esquerdo com as duas mãos e fechou os olhos. Fosse o que fosse, aquele ritual miraculoso não estava surtindo efeito — a dor continuava fortíssima. Ela voltou para mim seu olhar vívido, que parecia ainda mais brilhante e cheio de energia do que antes” (A Filha do Reich, página 8 e 9)

Este é o terceiro livro de ficção com fundo histórico do autor. A primeira obra com esse perfil literário foi O triste amor de Augusto Ramonet, que se passa no Chile de Salvador Allende, durante o golpe de Estado de Pinochet. Depois, o jornalista escreveu o romance Menina – Mitacuña, que tem ambientação na Guerra do Paraguai. “Gosto de escrever ficção com fundo histórico, cujos os fatos permitam-me criar livremente, de acordo com o fio condutor da trama”, admite.

Serviço:
XIX Bienal Internacional do Rio – 2019
Livro
: A Filha do Reich
Autor: Paulo Stucchi
Data
: 7 de setembro
Estande: Grupo Editorial Pensamento
Localização: Pavilhão Verde – O50
Sitehttps://www.bienaldolivro.com.br/

Ficha Técnica
Título: 
A Filha do Reich
Autor: Paulo Stucchi
ISBN:  978-8555391408
Páginas: 416
Edição: 3 de julho de 2019
Formato: 16 x 2,2 x 23 cm
Valor: R$ 39,00 

Sinopse do livro: Ao receber a notícia da morte de seu pai Olaf – um ex-soldado alemão refugiado no Brasil –, Hugo Seemann viaja à Serra Gaúcha para cuidar do funeral. Contudo, o que parecia ser uma mera formalidade de despedida a um pai que nunca conhecera de verdade, torna-se uma jornada ao passado – aos horrores da Alemanha nazista. Durante o funeral, Hugo recebe a visita da jovem Valesca Proença, que lhe mostra uma carta enviada por Olaf à sua mãe, contendo estranhas revelações que contradizem tudo o que achavam que sabiam a respeito de seus respectivos pais. Buscando desvendar esses antigos segredos há muito enterrados, eles partem para Colônia, onde descobrirão suas origens e o passado sombrio de Olaf. Uma trama envolvendo amizades, traição, morte, amor e milagres que uma obscura organização surgida na época do Terceiro Reich fará de tudo para manter em segredo, na intenção de encobrir a verdadeira identidade sobre uma criança conhecida somente como… A Filha do Reich. 

Sobre o autor: Paulo Stucchi é jornalista e psicanalista. Formou-se em Comunicação Social pela Unesp Bauru. Ele é especialista em Jornalismo Institucional pela PUC-SP e Mestre em Processos Comunicacionais, com ênfase em Comunicação Empresarial pela Universidade Metodista de São Paulo. Trabalhou como jornalista em revistas e jornais impressos, tornando-se editor, por treze anos, de uma publicação segmentada para o setor gráfico. Divide seu tempo entre o trabalho de assessor de comunicação e sua paixão pela literatura, principalmente, romances históricos. Também é autor de Menina – Mitacuña, O Triste Amor de Augusto Ramonet, Natal sem Mamãe e A Fonte.


Site do autor:
http://www.paulostucchi.com.br

Redes sociais:
https://www.facebook.com/escritorpaulostucchi/
https://www.instagram.com/paulostucchi/

Publicidade