Cultura Centro

Federação Israelita e Município buscam (mais uma vez) soluções para recuperar a Sinagoga de Nilópolis

REUNIÃO
Foto: Divulgação
Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou pelo Telegram CLIQUE AQUI

Na última quarta-feira (11), representantes da Fierj (Federação Israelita do Rio de Janeiro) estiveram reunidos com o prefeito Farid Abrão. Na pauta, a recuperação da Sinagoga Israelita Tiferet Israel, localizada na Rua Mena Barreto.

De acordo com a Prefeitura de Nilópolis, o propósito é recuperar a sinagoga e entregar, por direito, à comunidade judaica que vive na cidade e adjacências. Dentre os assuntos pautados no encontro, o foco principal foi estabelecer metas e prazos para tirar do papel o projeto de restauração. Porém não foram divulgados mais detalhes e nem os prazos definidos.

Outras tentativas

RESTAURAÇÃO SINAGOGA
Alunos da Escola de Artes Plásticas chegaram a iniciar um trabalho de recuperação. Foto: Divulgação

Esta não é a primeira vez que a a Prefeitura de Nilópolis tenta achar uma solução para a Sinagoga Israelita Tiferet Israel. O antecessor de Farid Abrão já havia prometido recuperar o local. Em junho de 2013, o ex-prefeito Alessandro Calazans, através da Secretaria Municipal de Turismo,  anunciou a revitalização. Na época, a então secretária, Márcia Cristina Ferreira, disse que os recursos viriam de um convênio com o Ministério do Turismo.

Três anos depois, Calazans fez novo anuncio, já inclusive informando o início das obras de restauração com a participação de alunos da Escola Municipal de Artes Plásticas Fayga Ostrower. Na época, o então secretário de Cultura, Augusto Vargas, deu a seguinte declaração:

“Em tempos de crise é preciso redobrar o comprometimento para conseguir estabelecer arranjos criativos e avançar. Não temos dúvida que este patrimônio tombado por nosso município enriquece nossa história e potencializará o Turismo histórico-cultural e gerar novos empregos e rendas alternativas para a cidade, ressaltou Augusto Vargas.

Mas o projeto não avançou e a sinagoga continuou abandonada. Já na gestão Farid Abrão, em abril de 2017, foi anunciada (novamente) o início dos estudos e projetos para a revitalização da sinagoga.

Fato é que a sinagoga, inaugurada em 1936, está abandonada há quase 30 anos. Um importante patrimônio histórico do município largado a própria sorte.

Publicidade