Eleições

Eleição para Conselho Tutelar de Nilópolis é marcada por desorganização

ELEIÇÃO CONSELHO TUTELAR
Eleitores enfrentaram dificuldades. Foto: André Santos
Clique aqui e receba, com exclusividade, as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet.

A eleição para eleger os novos membros do Conselho Tutelar de Nilópolis, que acontece neste domingo (06), está sendo marcada pela desorganização. Faltando menos de quinze minutos para o encerramento da votação, eleitores sofrem com problemas desde a abertura das seções eleitorais.

Ao todo os eleitores nilopolitanos contam com apenas quatro pontos de votação distribuídos nos bairros do Centro, Cabral, Nova Cidade e Cabuís. Como não se bastasse os poucos locais, os eleitores ainda foram distribuídos conforme a inicial de seus nomes, deixando de levar em conta a região onde residem.

A situação causou dificuldades que não existem nas eleições normais. Alexandre e Susana votam sempre na mesma seção eleitoral, porém por causa da divisão feita por ordem alfabética eles tiveram que votar em locais separados. Alexandre votou na Escola Municipal Jorge Deocleciano de Oliveira, no Centro, já Susana teve que votar no Clube da Terceira Idade, no bairro Cabral.

“É um absurdo, nós votamos na mesma seção eleitoral e nessa eleição para o Conselho Tutelar tivemos que votar em locais distantes um do outro. Quero entender de onde tiraram essa ideia absurda. Uma vergonha e uma falta de respeito com aqueles que querem exercer sua cidadania”, revolta-se Alexandre, que ainda acrescenta ter perdido quase 40 minutos para votar e sua esposa levou 30 minutos. “Juntando o deslocamento entre as seções eleitorais, perdemos mais de duas horas só para votar”, concluiu.

Eleitores impedidos de votar

Alexandre e Susana conseguiram votar, mas muita gente desistiu diante da dificuldade e outras foram impedidas de votar. Cláudio Ferreira tentou, em vão, exercer sua cidadania. Ele compareceu à Escola Municipal Jorge Deocleciano de Oliveira e após encarar cerca de 20 minutos na fila, descobriu que seu nome não estava na lista de eleitores aptos à votar. “Mesmo mostrando o título de eleitor emitido em julho deste ano, a responsável pela seção disse que eu não poderia votar pois o meu nome não estava na lista. Como assim? Meu título é novo, fiz a biometria e com isso emitiram um novo título. Disseram ainda para eu voltar mais tarde para ver uma nova lista chegava, mas tenho compromissos que não posso adiar. Não vou poder votar por causa de um erro primário em pleno ano 2019”, lamenta ele.

A eleição está sendo coordenada pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, juntamente com o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, com fiscalização do Ministério Público.  O Tribunal Regional Eleitoral teria apenas cedido as listas com os nomes dos eleitores.

Diretor geral do Tribunal Regional Eleitoral, Bruno Andrade, informou que nos casos de eleitores que tiverem atualizado o título após 1º de julho, eles poderão votar em seu antigo domicílio eleitoral. Segundo ele, só não poderão votar os novos eleitores que tiverem se cadastrado após a data.

— Nas eleições oficiais (para os cargos do Executivo e Legislativo), o prazo limite para inscrição ou atualização do título é em maio, para dar tempo de preparar as urnas. Nesta eleição que, para os tribunais eleitorais não são consideradas oficiais, o prazo de corte foi primeiro de julho. Mas isto não tem nada a ver com biometria. Se o eleitor fez a biometria e atualizou o endereço eleitoral depois de primeiro de julho, para votar, ele deverá se orientar pelo antigo endereço que constava no título — afirmou Bruno Andrade.

Segundo ele, nos casos de títulos tirados após primeiro de julho, o eleitor não terá direito de participar do pleito. Já nos casos de eleitores que não estão em nenhum destes casos, provavelmente o erro foi na geração das planilhas dos Conselhos de Defesa:

— Nós mandamos a listagem de eleitores e endereços desta data para os Conselhos de Direitos da Criança e do Adolescente, que são os organizadores destas eleições para o Conselho Tutelar. Nossa listagem tem 17 mil seções, que foram aglutinadas pelos conselhos e as planilhas foram devolvidas ao TRE-RJ para que pudéssemos inseminar as urnas. No caso do Rio, verificamos erros como falta de seções ou a mesma seção em duas listas diferentes. Alertamos, eles geraram outras listagens, mas pode ser que alguma seção tenha ficado de fora.

Apuração

O resultado da eleição de hoje será conhecido a partir das 18h, quando serão contados os votos do eleitorado que participou do pleito de forma facultativa. A apuração está marcada para acontecer na Escola Municipal Jorge Deocleciano de Oliveira, no Centro.

Ao todo 24 candidatos estão na disputa por 5 vagas titulares e mais cinco vagas de suplentes. Quem for eleito assume o posto em 10 de janeiro 2020 e terá mandato de quatro anos. Veja abaixo a lista dos candidatos aptos a disputar a preferência dos eleitores nilopolitanos:

RELAÇÃO CANDIDATOS

O resultado final, transcorrido os prazos de recursos e impugnações, será divulgado no dia 1º de novembro e a posse está marcada para o dia 10 de janeiro de 2020. O cronograma com todas as fases e datas do Processo Eletivo pode ser acessado no endereço eletrônico http://nilopolis.rj.gov.br/site/diario-oficial-online/.