Centro Geral

Mestre dos Cachos é sucesso em Nilópolis

HEMERSON
Foto: Agência O Globo
Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou pelo Telegram CLIQUE AQUI

Exemplos de sucesso merecem ser divulgados. Este é o caso do cabeleireiro Hemerson da Silva Santos. Apesar da pouca idade – 19 anos — o apaixonado por cabelos crespos e cacheados transformou essa paixão em uma fonte de renda. Apelidado de “Mestre dos Cachos” ele é sucesso em Nilópolis fazendo a cabeça da mulherada.

Mas para chegar a este patamar a tarefa não foi nada fácil. O início de tudo foi no quintal da avó, há cerca de dois anos, no Centro de Nilópolis, onde montou um humilde salão que sequer tinha piso e telhado. Apesar do improviso, o talento de Hemerson fez com que as dificuldades fossem superadas e hoje o pequeno salão já conta com mais conforto.

E como já dizem que a melhor propaganda é o boca-a-boca, as clientes fizeram com que hoje Hemerson contabilize mais de 40 mil seguidores nas redes sociais. O sucesso é tanto que suas clientes chegam cedo para fazer o cabelo e fazem filas gigantes. O preço também é um diferencial: Em média R$ 60 para cuidar das madeixas.

Doença

Hemerson conta que por pouco não desistiu. “Aos 13 anos, comecei a trabalhar no programa Jovem Aprendiz, em em uma empresa no bairro de Madureira e logo no início, peguei chicungunya e tive que me afastar. Assim que melhorei, retornei ao trabalho onde vi que já tinham colocado outra pessoa no meu lugar. Questionei e me disseram que aquele trabalho não era para mim. Saí de lá arrasado e aos prantos. Só eu sabia o quanto eu precisava do trabalho. Quando cheguei na na estação de trem, olhei para o céu e disse para Deus: Só o Senhor sabe da minha necessidade e do que eu preciso. Eu entrego nas suas mãos”.

O pedido até demorou a ser atendido e a vontade de ser cabeleireiro começou também a ficar mais forte. “O desejo de trabalhar com cabelos cacheados só aumentou e os meus olhos enchiam de lágrimas. Comecei a minha história dos cachos indo de casa em casa. Morros, comunidades e bairros nobres. Ia para onde me chamavam. Um certo dia, minha mãe ficou preocupada com os caminhos que eu era obrigado a percorrer e resolveu me ajudar, cedendo o espaço do humilde terraço dela para que eu pudesse trabalhar. As clientes tinham que passar pela cozinha, sala e quartos da casa da minha mãe. Não foi fácil, mas fui atendendo desse jeito por um bom tempo”, contou Hemerson.

Sem estrutura

Dois meses depois, a mãe pediu que a avó de Hemerson cedesse um espaço na parte de baixo do quintal para que ele fizesse seu pequeno salão. Foi nesse espaço, no número 1.051 da Rua Olga Hermont, no Centro de Nilópolis, que surgiu o humilde salão.

O salão no quintal teve um começo difícil. Sem qualquer estrutura, Hemerson passou a atender as pessoas de maneira improvisada. Com chão de terra batida e sem telha, nos dias de chuva o local transformava-se num lamaçal.

— Quando chovia, eu era obrigado a correr para a varanda da minha avó com as clientes. Não tinha cadeira profissional. Eu usava cadeiras de plástico, o que era desconfortável para mim e também para as meninas. Hoje, o salão ainda é bem simples, mas é muito bom em relação ao começo. Ainda não consegui concretizar o meu sonho, mas estou bem perto — diz Hemerson. — Mesmo com a precariedade, filas eram grandes desde o início. No começo, os vizinhos chegaram a perguntar se era fila de emprego.

O sucesso dos cabelos cacheados é também resultado dos produtos usados por Hemerson. Segundo ele, o fabricante também é da Baixada e desenvolve tudo a seu pedido:

— Meu fornecedor faz o produto do jeito que eu peço. O produto não alisa os fios. Ele deixa os cachos definidos e tratados. Não agride e as mulheres podem abusar da tintura, mesmo após relaxamento — diz o Mestre dos Cachos.

Publicidade