Transportes

Audiência pública sobre acessibilidade em Nilópolis será nesta quarta, 23

CADEIRANTE CARREGADO NO COLO
Cadeirante é carregado no colo. Foto: Via Whatsapp
Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou pelo Telegram CLIQUE AQUI

Após ter culpado a greve dos Correios pela ausência na audiência pública, que deveria ser realizada no último dia 25 de setembro, para esclarecer sobre o não cumprimento da Lei Federal nº 10.098, popularmente conhecida como Lei da Acessibilidade, nesta quarta-feira (23), a concessionária de trens urbanos, SuperVia, terá nova oportunidade para explicar quais as providências serão adotadas para garantir o acesso de cadeirantes e outros passageiros com mobilidade reduzida à estação ferroviária de Nilópolis.

RELEMBRE O CASO 

O Procon Municipal de Nilópolis, autarquia ligada à Secretaria Municipal de Cidadania e Direitos Humanos, resolveu convocar a empresa para esclarecer o que seria a “modalidade de acessibilidade assistida aos passageiros que possuem alguma deficiência ou mobilidade reduzida”, além de cobrar um cronograma de obras para fazer cumprir a Lei de Acessibilidade.

Entenda o caso

RODRIGO AMORIM E LEANDRO HUNGRIA
O empresário Leandro Hungria e o deputado Rodrigo Amorim. Foto: Divulgação

 

A polêmica começou no último dia 09 de setembro, quando o empresário e morador, Leandro Hungria, divulgou em suas redes sociais que havia pedido ao deputado estadual, Rodrigo Amorim, para cobrar da concessionária de trens urbanos o cumprimento da Lei Federal nº 10.098, popularmente conhecida como Lei da Acessibilidade.

Dois dias depois o empresário usou as redes sociais para se manifestar diante da resposta da empresa, que considerou como um grande deboche para com a população nilopolitana:

“Todos nós sabemos que existe a Lei Federal nº 10.098 que obriga as empresas concessionárias de transportes a dotarem veículos e estações de condições que permitam o deslocamento de deficientes físicos. Em Nilópolis não há nada disso, o acesso às plataformas é feito, exclusivamente, por escadas e a descida ou subida dos cadeirantes, por exemplo, só pode ser feito carregando no colo, expondo todos ao risco de um acidente, que pode até ser fatal”, diz o empresário.

IDOSO SOBE ESCADAS
Idoso é obrigado a subir a escadaria. Foto: Divulgação

 

O empresário Leandro Hungria, que iniciou as cobranças junto à concessionária e expôs as dificuldades que pessoas com deficiência passam para poder embarcar nos trens urbanos em Nilópolis, pede que a população se faça presente e ajude na cobrança:

“Há tempos a SuperVia vem demostrando não ter qualquer respeito para com os nilopolitanos. Sou um usuário do sistema ferroviário e acompanho o sofrimento dos passageiros, principalmente daqueles que tem alguma dificuldade de locomoção. Mas a concessionária, além de não respeitar uma lei federal, também desrespeita os nilopolitanos ao se negar a reativar a viagem Nilópolis x Central que existia e garantia um conforto para os passageiros que embarcam na estação de Nilópolis. Por tudo isso e outras situações que não vou desistir. A concessionária tem que entender que assim como nós, ela tem que cumprir as leis. Agradeço ao superintendente do Procon, Dr. Luis Fabiano, por buscar uma solução em conjunto”, disse.

Só neste ano, a concessionária já recebeu pelo menos dois ofícios do deputado estadual, Rodrigo Amorim, cobrando melhorias e as respostas sempre negativas com razões que beiram o ridículo e sem nenhum fundamento, como por exemplo a alegação de que a estação ferroviária de Nilópolis conta com o apoio de funcionários e agentes para “auxiliar o embarque de pessoas com acessibilidade reduzida“, o que na prática significa “transportar cadeirantes e outras pessoas com deficiência no colo”.

IDOSO SOBE ESCADAS
Idoso é obrigado a subir a escadaria. Foto: Divulgação

“A concessionária, assim como outros interessados, foram devidamente oficiados para comparecimento no dia 23 de outubro, às 14h, na sede do Procon. Demos um prazo maior justamente para não haver desculpas e aproveito para convidar a população para que se faça presente e nos ajude a cobrar o cumprimento da Lei Federal nº 10.098. Não haverá repouso enquanto não resolvermos isso”, declarou Dr. Luis Fabiano, enfatizando a necessidade de representantes da sociedade civil estarem presentes.

O Procon Municipal fica na Rua Pedro Álvares Cabral, 305/térreo, Centro – Nilópolis. O funcionamento é de segunda à sexta, das 9h às 17h.

Publicidade