Saúde Utilidade Pública

Cicatrizes cirúrgicas: conheça as principais formas de corrigir

Cicatrizes cirúrgicas: conheça as principais formas de corrigir 4
Crédito da imagem: deccanclinic.com
Clique aqui e receba, com exclusividade, as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet.

Sejam cicatrizes derivadas de cirurgias ou não, essas marquinhas costumam incomodar a vida de quase todas as pessoas – principalmente quando o indivíduo é muito preocupado com a estética ou quando a marca se torna mais evidente.

Embora não seja garantido o seu completo desaparecimento, é possível optar por procedimentos que minimizam o aspecto indesejado das cicatrizes e contribuir para a auto estima do paciente e melhor aparência de sua pele.

No artigo de hoje, você vai entender sobre as principais maneiras de corrigir as cicatrizes cirúrgicas.

Pronta para saber mais sobre o assunto? Confira a leitura na íntegra!

Tipos de cicatrizes após uma cirurgia

Após uma cirurgia, os cuidados com as cicatrizes precisam ser redobrados, se atentando para todas as indicações do cirurgião para prevenir complicações.

Mesmo com todos os cuidados, algumas pessoas podem sofrer variações no processo cicatricial, fazendo com que a cicatriz se torne mais aparente e com aspecto indesejável.

Quando o assunto é correção de cicatrizes, existem várias técnicas que podem ser abordadas para devolver um aspecto mais harmonioso para a pele, confira-as a seguir!

  • Cicatriz queloide

Dentre as principais complicações cicatriciais, sem dúvidas, o queloide é uma das que mais incomoda (sendo também mais comum).

Quando isso ocorre, a cicatriz se apresenta de forma mais enrijecida, rosada e com tamanho aumentado.

A formação do queloide se dá pela deposição excessiva de colágeno (que faz com que o tecido se torne mais duro).

Além da estética ficar comprometida, muitas dessas marcas podem gerar coceira, remetendo também à qualidade de vida – principalmente quando afeta maiores extensões.

Apesar da predisposição para o queloide ser um fator genético, asiáticos e negros também podem sofrer mais com esse problema.

Correção de queloide:

Quando ainda estiver no período pós-operatório, usar curativos compressivos é uma ótima forma de evitar o problema – principalmente se você sabe que possui predisposições e já apresenta queloides em outras partes do corpo.

Caso ele já esteja instalado, é possível optar por:

  • Injeções medicamentosas;
  • Curativos de silicone;
  • Tratamento com laser;
  • E até mesmo cirurgia plástica.

 

Mas tudo irá depender da área atingida, consistência do queloide e grau de comprometimento da região, cabendo uma análise minuciosa do profissional especializado.

  • Cicatriz discrômica

Esse tipo de cicatriz mostra uma coloração de pele totalmente diferente.

Geralmente, isso ocorre quando há exposição solar sem proteção ou uso de produtos inespecíficos sobre o local.

Por isso, tomar cuidados durante o pós-operatório é a principal forma de evitar esse tipo de problema.

  • Cicatriz retraída

Além de deixar a área “repuxada”, esse tipo de marca pode comprometer a movimentação da região.

E dependendo da extensão, isso pode interferir mais na qualidade de vida do que se possa imaginar.

Nesses casos, a abordagem terapêutica abrange técnicas de subincisão, liberando a tração que é exercida no tecido local e devolvendo a movimentação comprometida.

  • Cicatriz alargada

Apesar de parecerem com estrias, as cicatrizes mais alargadas devem ser corrigidas por meio de cirurgia plástica, cuidando sempre para que a situação não seja recorrente com a “nova cicatriz”.

  • Cicatriz hipertrófica

Muita gente acaba confundido a cicatriz hipertrófica com o queloide, pois as duas tendem a ficar mais espessas.

Mas a grande variação se dá pelo fato de que esse tipo de cicatriz não passa do local de incisão e tende a diminuir a espessura com o passar do tempo (o que não acontece com o queloide).

Como são bastante similares, os tratamentos para queloide são indicados para esse tipo de cicatriz, optando por:

  • Injeções com medicamentos (principalmente os corticoides);
  • Radioterapia:
  • Curativos de silicone e terapia a laser.

Casos mais extremos também podem contar com a realização de cirurgia plástica, tendo os cuidados redobrados no processo de recuperação da técnica.

Em todos os casos, é importantíssimo procurar um cirurgião plástico, garantindo o sucesso do procedimento.

Quais fatores influenciam na cicatrização?

Além de fatores genéticos e respostas biológicas naturais do corpo humano, alguns fatores podem inferir no percurso da cicatrização, agindo de maneira direta sobre a qualidade das marquinhas.

  • Local da incisão

Dependendo do local de realização dos cortes cirúrgicos, aqualidade das cicatrizes podem ser mais afetadas.

Em geral, regiões como orelhas, costas e tórax apresentam maior propensão para problemas cicatriciais.

Além do local da incisão, o tipo de técnica utilizada pelo cirurgião também pode fazer a diferença.

  • Cuidados após a cirurgia

Quando infecções ou abertura de pontos são minimizadas, as cicatrizes tendem a ficar com aspecto mais agradável, reduzindo as complicações.

Por isso, é muito importante seguir o pós-operatório à risca, jamais deixando de consultar seu cirurgião quando tiver alguma dúvida.

  • Alimentação

Embora muita gente pense que é besteira, uma alimentação saudável pode ajudar em muito a cicatrização.

Consumir alguns alimentos podem dar uma forcinha, como:

  • Iogurte;
  • Carnes magras;
  • Salmão;
  • Laranja;
  • Cenoura;
  • Amendoim;
  • Fígado;
  • Brócolis.

 

  • Idade

Como os processos e reações metabólicas ocorrem de maneira mais rápida em pessoas jovens, os idosos podem sofrer um pouquinho mais com a cicatrização – embora isso não seja impeditivo para cirurgias.

Outros aspectos importantes

Após uma cirurgia, o que mais queremos é que tudo ocorra bem e que tenhamos os resultados esperados. Isso inclui ficar com uma cicatriz o menos visível possível e livre de complicações.

Mas seja por fatores estéticos, de cuidados ou de respostas biológicas, nem sempre as cicatrizes cirúrgicas ficam agradáveis.

Em alguns casos, além da estética comprometida, isso pode prejudicar até a movimentação e a qualidade de vida. Por isso, focar em estratégias de correção de cicatrizes pode ajudar!

Nem todos os casos requerem técnicas de cirurgia plástica, sendo que alguns podem ser tratados pelo uso de medicamentos ou terapias não tão invasivas.

Caso você esteja sofrendo com complicações nas cicatrizes, o mais recomendado é buscar um médico especialista. Após analisar o seu caso, ele poderá propor a melhor opção de tratamento.

Se você ainda não realizou a cirurgia, mantenha os cuidados do pós-operatório impecáveis, minimizando ao máximo as chances de problemas – não esquecendo de focar também na alimentação.

Gostou do conteúdo de hoje sobre formas de corrigir cicatrizes cirúrgicas? Comente logo abaixo suas dúvidas – estamos prontos para atendê-la!

Publicidade