Transportes

Governos não investiram na Secretaria de Transportes de Nilópolis

VEÍCULO PEGOU FOGO
Viatura pegou fogo e não foi substituída. Foto: Via Whatsapp
Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou pelo Telegram CLIQUE AQUI

Permitir que todos possam se locomover com respeito e segurança, preservando vidas e garantindo a mobilidade em ruas e avenidas de Nilópolis. Esse é o propósito do trabalho dos agentes da Fiscalização de Trânsito da Secretaria Municipal de Transportes. Pelo menos no papel.

Há pelo menos quatro anos sem investimentos significativos da administração municipal, o dia a dia do trabalho dos dos agentes de trânsito do município é cada vez mais difícil. E a situação chegou ao extremo no último mês: a secretaria está sem nenhuma viatura:

“Estamos indo fazer nosso trabalho a pé ou usando ônibus. Infelizmente não temos mais viaturas, elas quebraram e não tem peças de reposição, estamos fazendo o que podemos para não deixar as ruas sem fiscalização, mas está muito difícil”, conta um agente que não quis se identificar.

“Novos” veículos chegaram há oito anos

Ele conta ainda que os veículos da frota foram se deteriorando com o tempo e os últimos carros “novos” chegaram ainda no governo Sergio Sessim, ou seja há cerca de oito anos. “A última vez que vi um carro novo aqui foram os Gols que chegaram vindos da Polícia Militar. Não eram zero quilômetros, mas pelo menos vieram direitinhos e conseguíamos trabalhar. Usamos eles até este ano, só que sem manutenção eles foram pifando e um deles pegou fogo no ano passado“, conta ele.

MOTOCICLETAS TRANSITO
Motocicletas estão paradas. Foto: Via Whatsapp

 

Nem mesmo as três motocicletas que eram usadas para o deslocamento rápido dos agentes escaparam da falta de manutenção.  Desde o dia 30 de outubro último, todas estão paradas sem condições de uso. “Se hoje acontece um acidente na Getúlio de Moura, por exemplo, nossos agentes são obrigados a ir a pé ou pegar um ônibus. Até mesmo carona tá difícil para gente conseguir”, lamenta o agente.

Reboque fora das ruas

REBOQUE PREFEITURA
Reboque não é usado por falta de convênio. Foto: Via Whatsapp

 

E se um carro enguiçar nas ruas ou estiver ocupando uma calçada ou estacionado de forma irregular, vai ficar lá. A Prefeitura não renovou o convênio e o reboque, que até o final do ano passado prestava serviços para a Secretaria de Transportes está fora de operação. “Lamentamos não poder estar cumprindo nosso papel como deveria, principalmente na forma de resguardar o direito dos cidadãos. Não temos como remover carros nas calçadas e o máximo que conseguimos é autuar”, explicou outro agente, que da mesma forma não quis se identificar.

E a falta de investimentos também chegou aos uniformes dos agentes, ou o que restou deles. A maioria deles está usando os que foram entregues em 2017 ou nos piores casos, uniformes que têm mais de 10 anos. “A coisa tá feia, não tem uniformes, a gente usa a semana inteira e quando dá a gente lava, fora isso, a gente tenta se virar”, lamenta o servidor, que tem pelo menos 10 anos de Prefeitura.

Categoria quer ser valorizada

Um outro servidor lamenta que a categoria esteja esquecida pelos governantes. “Não é de agora esse abandono. Passei por dois governos e não se preocuparam com a gente. Não temos plano de cargos e o nosso salário é o minimo, apesar da nossa responsabilidade não vemos nenhuma melhoria”, lamenta.

AGENTE DE TRÂNSITO
Agente trabalha orientando o trânsito nas ruas de Nilópolis. Foto: Via Whatsapp

 

Apesar de serem desvalorizados, a importância dos agentes para a segurança do trânsito é muito grande:

“Enquanto existirem condutores infratores, que insistem em desrespeitar as regras, haverá fiscais cumprindo exatamente a missão de ser um agente para um trânsito seguro e respeitoso. O que buscamos alertar é que as atribuições dos fiscais vão muito além da aplicação de multas: eles também são os olhos da secretaria nas ruas, sendo fundamentais no encaminhamento de soluções para a comunidade e na garantia de que possamos evitar cada vez mais o número de acidentes”, afirma o agente.

R$ 500 mil em multas

E o trabalho dos agentes de trânsito também ajuda na arrecadação municipal. De acordo com informações do Portal da Transparência, até o mês de outubro, o município arrecadou R$ 533 mil em multas.  “Apesar das dificuldades, nosso amor pela profissão ainda nos motiva. Vamos torcer por melhorias”, conclui o agente.

Publicidade