Centro Transportes

Estacionamento em local proibido é coibido pela Secretaria de Transportes em Nilópolis

AÇÃO AGENTE DE TRÂNSITO
Agente notifica veículo estacionado de forma irregular. Foto: Divulgação
Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou pelo Telegram CLIQUE AQUI

As ruas e avenidas são espaços públicos, portanto entende-se que seria um direito dos cidadãos poderem estacionar os seus veículos à beira das calçadas, em locais que o estacionamento seja liberado. Porém, algo recorrente vem atrapalhando os motoristas nilopolitanos. O estacionamento em locais proibidos, principalmente na rua Pedro Álvares Cabral.

Para coibir a prática, agentes do 1º Grupamento Especializado em Trânsito – GET da Secretaria Municipal de Transportes vem realizando operações frequentes para notificar os veículos que estejam estacionados de forma irregular, prejudicando o tráfego:

“A rua Pedro Álvares Cabral é uma das principais vias da região central e por conta da quantidade de veículos, alguns locais não são autorizados para o estacionamento. Nosso trabalho tem como objetivo principal educar e tentamos várias vezes que os proprietários respeitem a sinalização antes de aplicar as sanções previstas no Código de Trânsito Brasileiro”, salientou o coordenador Marques.

Agência

Durante a fiscalização, comerciantes da localidade questionaram que um vendedor de veículos usa pelos menos cinco vagas para expor suas “mercadorias”.  Marques explica que no Código de Trânsito Brasileiro (CTB) existe um artigo, o 245, que proíbe a colocação de mercadorias na via pública. Porém, segundo ele, um veículo devidamente estacionado na via pública, independentemente de estar com inscrições em seus vidros, não configura uma mercadoria, “afinal de contas, está a ocupar um lugar a ele destinado.”

AGENTE DE TRÂNSITO
Foto: Divulgação

 

Marques destaca que esse artigo do CTB foi criado para impedir que alguns comerciantes colocassem à venda produtos, como “caixas de bananas, cimento, betoneiras, dentre outros”. “Realizar atos de comércio com a utilização de veículo automotor é prática que foge ao controle e competência do órgão executivo de trânsito do município”, informa.

O coordenador explica que apenas pode autuar aqueles veículos que estejam estacionados em locais proibidos e que “para a fiscalização de trânsito é indiferente se o veículo possui ou não adesivo ou marcação de vendas. “Entendemos a reclamação, mas diante do Código de Trânsito não há qualquer irregularidade”, concluiu.