Nilópolis Online
Notícias de Nilópolis todo dia

Reservatório novo não pôs fim ao problema da Falta d’ água em Nilópolis

Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou Telegram CLIQUE AQUI

Os nilopolitanos acreditaram que esse verão não seria igual aos que passaram, mas contra todas as expectativas a falta d’ água mais uma vez está sendo um tormento para os moradores de vários bairros. Com a inauguração do reservatório construído no bairro Cabral, com capacidade para armazenar 13 milhões de litros e depois de se depararem com várias frentes de obras pelo município, todas para interligá-lo a rede, a população estava confiante que o abastecimento seria regularizado e que não seria mais preciso aguardar o dia que a água chegasse às torneiras para limpar a casa, lavar roupas e encher todos os baldes, bacias e até garrafas pet para os dias subsequentes. No entanto, pouco mais de quatro anos após a inauguração do reservatório e em pleno verão, restou a desilusão pelo abastecimento, segundo muitos, ainda mais deficiente do que era anteriormente.

A falta d’água é um problema antigo em vários bairros de Nilópolis. Os moradores, principalmente aqueles dos chamados finais de linha, há anos sofrem tendo água disponível apenas um ou dois dias por semana. A alegação da CEDAE sempre foi que o antigo reservatório, localizado na Rua Vereador Francisco Nunes, no Centro, não tinha capacidade suficiente para abastecer todo o município e por conta disso a solução vislumbrada passou a ser a construção de um reservatório maior.

R$ 10 milhões gastos e não há solução

Várias foram as reuniões e os pedidos feitos pelo Governo Municipal tanto ao Governo Estadual quanto ao Governo Federal, até que com cerca de R$ 10 milhões oriundos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) foi construído durante dois anos o reservatório no final da Rua Senador Salgado Filho, no bairro Cabral e uma adutora com extensão de 1,6 mil km e de 600 mm de diâmetro, inaugurados no dia 27 de setembro de 2012, com uma grande festa, afinal para a população e para o Governo Municipal significava mais que a concretização de um sonho, significava que a falta d’água finalmente seria algo do passado.

Com o passar do tempo, o real significado passou a ser a frustração. Em bairros como Cabral, Nossa Senhora de Fátima, Paiol, Cabuís e Nova Cidade, os moradores continuam tendo problemas e continua também sendo uma cena comum a circulação de caminhões pipas e pessoas com baldes carregando água retirada do poço de algum vizinho. Muitos reclamam que não têm água nas torneiras há semanas e na descrença de que o reservatório não tenha resolvido o problema, culpam os responsáveis pelas manobras nas caixas da Cedae, problemas em bombas do booster, localizado em Olinda, especulações de quem quer a todo custo não apenas uma explicação, mas uma solução para o problema.

Além dos inconvenientes causados ao ambiente doméstico, principalmente nos dias de calor intenso, a falta de água gera gastos que, segundo vários moradores, prejudicam o orçamento. Muitos alegam que precisam pagar preços exorbitantes no caminhão pipa e várias vezes tem que dividir com vizinhos devido aos custos e também devido grande parte da população não possuir cisterna de tamanho suficiente para fazer o armazenamento de tantos litros.

Tão perto…

Até mesmo para quem mora perto do novo reservatório a situação não mudou. O bairro Nossa Senhora de Fátima fica a cerca de um quilômetro do reservatório e a situação para os moradores continua a mesma: abastecimento irregular. Quem reside nas ruas Mário de Araújo, Marques Canário, Pedro Álvares Cabral e as suas inúmeras travessas sofre com a irregularidade no abastecimento.

E qual seria a desculpa agora ? Construir um novo reservatório ? Com a palavra a CEDAE.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais