Nilópolis Online
Notícias de Nilópolis todo dia

Tribunal de Contas aponta inúmeras irregularidades em empresa localizada em Nilópolis

Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou Telegram CLIQUE AQUI

Um relatório do Tribunal de Contas de Santa Catarina revela detalhes da empresa contratada pelo Governo do Estado, com dispensa de licitação para a aquisição de respiradores, que devem ser usados para
salvar as pessoas contaminadas pelo Coronavírus, que forem para a UTI com insuficiência respiratória.

A Veigamed Material Médico e Hospitalar Eireli, tem como objeto social “Comércio atacadista de medicamentos, produtos médicos, equipamentos, aparelhos e material de artigos ou sistemas de uso ou aplicação médica, odontológica ou laboratorial destinado a prevenção diagnósticos e manutenção de equipamentos. Localizada de acordo com o cadastro do CNPJ, na Rua Antônio Felix, nº 679, no bairro Nossa Senhora de Fátima, em Nilópolis, tem como representante legal Rosemary Neves de Araújo.

Através de pesquisa feita pelo TCE, conforme é possível conferir na foto, a suposta empresa teria como sede uma casa simples, que é possível até mesmo suspeitar que se trata de uma residência, muito diferente da imagem produzida de um prédio que aparece no site da Veigamed, apresentado como se fosse a sua sede. A casa real apontada como seu endereço, não parece ser de uma empresa que registrou o valor de R$ 1,6 milhão de capital social.

Outra surpresa encontrada, é que além da Veigamed, também estão registradas no mesmo endereço, mais duas empresas, no caso, a Saúde do Bem Empreendimentos e Participações Ltda, e Viver Bem Empreendimentos e Participações Ltda.

Sócios

Desde 14 de novembro de 2017, Rosemary Neves de Araújo é a responsável pela empresa Veigamed. Ela mora em um modesto apartamento localizado no bairro do Irajá no subúrbio carioca. A empresária não tem veículo em seu nome e, o telefone registrado no cadastro não existe.

Além disso, Rosemary que completou o ensino médio e, é pensionista da Marinha, também aparece como sócia de outra empresa, a Delta T Consultoria Empresarial, com atuação no ramo de gestão de empresas, incompatível com a sua formação. A sua ascensão foi considerável, uma vez que trabalhou entre 2011 e 2012, como motorista de ônibus urbano nas empresas Auto Viação Três Amigos e Viação Penha Rio Ltda.

Já o sócio que é apontado como CEO da Veigamed, Pedro Nascimento Júnior, tem como endereço a Rua Rockefeller, no bairro de Valparaiso, cidade de Petrópolis na Serra Fluminense. Ele também tem um segundo endereço residencial, encontrado através do Registro Nacional de Carteira de Habilitação, na rua Gilberto Cardoso, no bairro do Leblon, zona nobre do Rio de Janeiro. No local fica um edifício localizado bem em frente a Gávea, que é a sede do Flamengo.

Conclusão do TCE

De acordo com a conclusão do Tribunal de Contas do Estado, a empresa Veigamed, que vendeu ventiladores pulmonares ao Governo do Estado de Santa Catarina tem como sede um local incompatível com o seu capital social de R$ 1,6 milhão. Além disso, o perfil de Rosemary Neves de Araújo, não é compatível com o de uma titular da empresa, nem como sócia da Delta T Consultoria Empresarial Ltda, com atuação no ramo de consultoria em gestão empresarial.

O TCE acredita que Rosemary tem uma relação próxima com Pedro Nascimento Araújo, que também consta como sócio das duas empresas, sendo que ela não seria sócia de fato. No caso do suposto empresário, também chama a atenção que ele tem dois endereços completamente distintos, sendo um mais simples, enquanto que o outro fica em um bairro nobre.

Outras constatações

O Tribunal de Contas sugere que Rosemary Neves de Araújo, não seja a real proprietária da Veigamed, o que leva a acreditar que seria uma laranja para encobrir os verdadeiros sócios. A Corte também acredita que a empresa não cumprirá o contrato com a Secretaria de Estado da Saúde, ou seja, não entregará os respiradores adquiridos. O TCE entende como provável, o fato de que os orçamentos apresentados pelo Governo do Estado para justificar o preço pago pela aquisição dos respiradores, não sejam documentos idôneos, tendo inclusive, os valores de R$ 165 mil por cada aparelho, superfaturado.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...