Nilópolis Online
Notícias de Nilópolis todo dia

Beija-Flor doa materiais para profissionais de saúde em Nilópolis

Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou Telegram CLIQUE AQUI

Nesse período quarentena, quando os trabalhos para o carnaval estão praticamente parados, o coreógrafo da comissão de frente da Beija-Flor de Nilópolis, Marcelo Misailidis, decidiu fazer um movimento diferente. Ele trocou, literalmente, os pés pelas mãos e está produzindo protetores faciais de acetato transparente para doar a profissionais de saúde do Rio de Janeiro.

Com o apoio da ONG Bees of Love – da qual sua mulher é uma das “abelhas” – numa parceria com a Beija-Flor, Misailidis transformou sua casa numa oficina. Com placas de acetato transparente, armações de óculos e arcos de cabelo, já produziu 700 peças do Equipamento de Proteção Individual (EPI).

“A Beija-Flor doou o acetato e a Bees entrou com o know how e a gente tocando. Não sou muito habilidoso e não estava acostumado a trabalhos manuais. Fazer as primeiras peças foi meio complicado. Mas, a necessidade faz a gente superar a dificuldade. A gente percebe que pequenos gestos podem resultar em grandes ações”, disse o coreógrafo, consagrado bailarino do Theatro Municipal.

Em 40 dias de trabalho – com a colaboração de um ou outro integrante da equipe da escola, para continuar mantendo o distanciamento social – os primeiros 700 protetores foram doados ao Hospital Universitário Pedro Ernesto, em Vila Isabel, na Zona Norte do Rio, e para unidades públicas de saúde em Nilópolis.

Agora, Misailidis aguarda a chegada de mais uma remessa de acetato transparente, compradas pela Beija-Flor e pela Bees, para dar continuidade à produção. Para o coreógrafo é importante se manter em movimento durante a pandemia.

“Esse movimento é muito bom, principalmente para a cabeça. É bom fazer alguma coisa para se sentir útil. Todo mundo, principalmente da classe artística, está passando por dificuldades. A tecnologia ajuda muito, mas não dá para fazer tudo pela internet. Então, acho que todo mundo pode fazer alguma coisa para ajudar. A gente precisa se mexer, em todos os sentidos”, disse o coreógrafo.

COREOGRAFO
O coreógrafo e a produção das máscaras. Foto: Divulgação

E movimento é o que não falta na vida de Misalidis, que sempre que pode colabora com os projetos sociais da Beija-Flor. Nessa quarentena, a escola de samba está produzindo máscaras e distribuindo quentinhas para as famílias carentes das comunidades de Nilópolis. E organizou a Live do Samba, que no sábado (9), arrecadou 60 toneladas de alimentos.

“Quando a gente entra na Sapucaí, tenho consciência de que o resultado apresentado não é só meu, é de toda a nossa comunidade. Ela se doa de corpo e alma para fazer um desfile emocionante. Então, agora chegou a hora de a gente doar nossas habilidades e capacidades para ajudar essas pessoas”, disse Misailidis.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...
WhatsApp chat