Nilópolis Online
Notícias de Nilópolis todo dia

Preso mais um suspeito de executar e carbonizar morador de Nilópolis é preso

Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou Telegram CLIQUE AQUI

Agentes da Divisão de Capturas da Polícia Interestadual ( Polinter) prenderam, nesta quinta-feira (01), em Mesquita, Lucas de Oliveira Pires, o Magrão, de 24 anos. Ele é um dos suspeitos de participar das mortes do PM Anderson Pereira Pinto e do amigo dele Francler Luiz Braz Toledo. Os dois foram capturados por traficantes, baleados e ainda tiveram os corpos carbonizados dentro de um carro, no bairro da Chatuba, na divisa entre os municípios de Mesquita e Nilópolis. O crime aconteceu em junho, pouco depois do carro onde vítimas viajavam ter sido interceptado por traficantes .

De acordo com um trecho do despacho do juízo da 4ª Vara Criminal, que decretou a prisão de Magrão, o PM , Francler e uma terceira pessoa, usavam um carro para ir jogar sinuca em um bar. Antes de chegar ao local, o veículo acabou entrando em uma rua onde havia um ponto de venda de drogas, num dos acessos à Chatuba, sendo interceptado por quatro bandidos armados . Eles ordenaram que os ocupantes descessem do automóvel.

Quando todos já estavam do lado de fora, um dos traficantes começou a revistar o trio e achou uma pistola com o PM. Ao ver a cena, um dos amigos do policial fugiu correndo. Tiros foram disparados, mas ele conseguiu escapar. Já Pereira e Luiz foram mortos no local. Segundo outro trecho da decisão judicial, os bandidos colocaram os corpos das duas vítimas em um Renault. Em seguida, incendiaram o veículo na Rua Joaquim Máximo Soares, no bairro Manoel Reis.

ANDERSON
Anderson foi executado e teve o corpo incendiado. Foto: Acervo pessoal

O PM estava na corporação desde 2014 e era lotado no 19º BPM (Copacabana) . Além de Lucas Pires, outros dois homens e uma mulher também foram indiciados pelo mesmo crime e também tiveram as prisões decretadas pela Justiça. O Disque-Denúncia (2253-1177) divulgou cartaz com recompensa por informações sobre os responsáveis pelo duplo homicídio.

A operação que acabou com a prisão do suspeito da morte do policial também colocou atrás das grades outras duas pessoas. Uma delas é um ex-policial militar . Ele foi condenado a seis anos de prisão, por ter exigido R$ 30 mil para soltar um traficante que havia sido preso em flagrante. Por conta disso, foi expulso da PM e condenado a uma pena de seis anos de prisão. Segundo a polícia, o preso estava foragido desde o ano passado.

O último detido na operação da Polinter foi um homem que responde por crime de receptação.

Fonte: Jornal Extra
você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais