Nilópolis Online
Notícias de Nilópolis todo dia

Nilópolis recebe tarde de depoimentos com pacientes com câncer

A Casa da Mulher Nilopolitana promoveu nesta quarta-feira (20) uma tarde de depoimentos com pacientes com câncer. A atividade marcou o Outubro Rosa, campanha mundialmente conhecida, que busca a conscientização da população para o diagnóstico precoce do câncer de mama e do câncer do colo de útero. Várias mulheres emocionaram as colegas ao contar seu dia a dia na luta contra a doença.

Nilcéa Cardoso, Superintendente dos Direitos da Mulher e diretora da Casa, afirmou que além de sensibilizar a todos para a importância desses tipos de câncer, o encontro também expôs as dificuldades que muitas mulheres estão passando atualmente: algumas perderam seus empregos e os maridos de todas estão sem trabalho.

“Nosso objetivo é o cooperativismo, buscamos o companheirismo e a amizade. Quem nos procura, juntamos os alimentos e damos cestas básicas para quem está nessa situação”, contou.

A voluntária e professora Jane Khalil salientou que ao se submeter ao tratamento de quimioterapia ou radioterapia, após a cirurgia para retirada de câncer, as mulheres passam o dia todo fora de casa.

“Muitas saem cedo e só conseguem fazer o procedimento à tarde. Ficam sem comer e, muitas vezes, sem o transporte que levou o grupo para fazer o tratamento”, contou ela, ressaltando também a dificuldade que elas enfrentam para conseguir a aposentadoria pelo INSS.

Muitas das mulheres que fazem o procedimento, depois ingressam com processo de aposentadoria junto à previdência social. Elas reivindicam o Benefício de Prestação Continuada (BPC), conhecido também como LOAS – Lei Orgânica da Assistência Social. No caso da pessoa com uma doença incapacitante, ele garante uma espécie de aposentadoria às pessoas de baixa renda.

Elisiana Soares, 59 anos, e Viviane Teixeira Matheus, 37, enfrentam esse problema. Elas dividiram com as companheiras a luta contra a doença e contaram as dificuldades para fazer a perícia e se habilitar a receber o LOAS. Infelizmente, em ambos os casos, ainda não conseguiram, apesar de terem sido submetidas a cirurgias para retirada de câncer.

“Fiz um exame na Previdência Social de Nilópolis e duas perícias em Barra Mansa, no Sul Fluminense. Para ir a Barra Mansa, precisei de ajuda de parentes, porque não tinha dinheiro”, lembrou Elisiana, moradora de Olinda, mãe de dois filhos e com dois netos. Ela já está no período de remissão, porque tratou o câncer no endométrio entre 2017 e 2018, no Hospital da Posse. Fez cinco quimioterapias com sessões de quatro horas de duração e 25 radioterapias. Agora a briga é para receber sua aposentadoria.

Viviane Matheus, a Vivi, retirou a mama esquerda no Inca de Vila Isabel e se prepara para fazer quimioterapia na mesma unidade de saúde.

“Fui convidada para participar desse encontro. O importante é que cada uma vai conhecendo a história da outra e dando força. Ninguém solta a mão de ninguém”, garantiu ela, que junto com o marido também desempregado, vende bolos caseiros por encomenda para se manterem e aos dois filhos.

Fonte: Coordenadoria de Comunicação / PMN
você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais

%d blogueiros gostam disto: