Nilópolis Online
Notícias de Nilópolis todo dia

Atividades culturais celebraram o mês da Consciência Negra no Centro de Nilópolis

A manhã desta quarta-feira (17) foi animada na Praça Vereador Orlando Hungria, no Centro, com a celebração do Mês da Consciência Negra. A Secretaria de Cidadania e Direitos Humanos, por intermédio da Superintendência de Promoção de Igualdade Racial, promoveu o Zangu Nilopolitano.

O evento contou com exposição de livros e revistas sobre a verdadeira história da matriz negra, além dos pratos e craquelê em garrafas, trabalho feito por jovens nilopolitanos que buscam gerar renda. Quem parou para prestigiar a ação pôde degustar pratos típicos da culinária angolana, a feijoada e moamba de galinha.

“Zangu é a casa dos povos. Nilópolis optou por resgatar todos os segmentos que temos no município, pessoas que não são vistas. A cidade tem muito a oferecer. É a igualdade dos povos”, disse o pós-graduado em História Africana, Sérgio Rodrigues da Silva, mais conhecido como Mestre Montana, atuante na cultura há 40 anos.

Marlon Santos, conhecido como Marlon Capoeira, é presidente do grupo cultural Omo Ketu, que há cinco anos realiza o trabalho cultural em Nilópolis por meio da música Afoxé, que eles apresentaram no Zangu.

“A gente busca, com esse tipo de música, trazer a mensagem, a valorização, o resgate da identidade dos povos de matrizes africanas”, disse.

O batuque de Jongo não deixou ninguém parado. A manifestação é uma forma de expressão afro-brasileira que integra percussão de tambores, dança coletiva e elementos de espiritualidade.

“A data é simbólica, mas, acima de tudo, é para mostrar e falar sobre a importância da cultura e do povo africano na formação da cultura nacional. Os negros africanos colaboraram muito durante nossa história com os aspectos políticos, sociais, gastronômicos e religiosos de nosso país. Hoje, espero que essa data sirva de marco para novos recomeços e novos pensamentos em relação aos negros no Brasil“, salientou o secretário de Cidadania e Direitos Humanos, José Renato de Moraes Ribeiro.

Procon unido contra o racismo

Em prol do não racismo na área comercial, a criação do projeto “Procon na igualdade” tem como objetivo criar um canal para receber denúncias de pessoas que sofrem racismo. O atendimento é na segunda, quarta e sexta-feira, das 9h às 13h, na sede do Procon Municipal, localizado na Rua Pedro Álvares Cabral, 305/Térreo, no Centro.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais

%d blogueiros gostam disto: