Nilópolis Online
Notícias de Nilópolis todo dia

Publicidade

Marcações nas redes sociais podem agilizar o combate aos maus tratos contra animais em Nilópolis

Cada vez mais, a população se conscientiza sobre a importância do combate aos maus tratos contra aqueles que são mais indefesos que os seres humanos. Além de ser uma verdadeira covardia, maltratar animais é crime e dá cadeia.

Para quem protege os animais diariamente, o advento das redes sociais, em especial o Facebook e o Instagram, causou uma verdadeira revolução no ativismo. As postagens sobre cães e gatos perdidos ou que precisam de resgate causam comoção na rede e também servem para denunciar casos de maus tratos.

Mas para ajudar de fato, não basta apenas fazer comentários, é preciso chamar a atenção das autoridades, principalmente quando a postagem citar um possível caso de maus tratos.

“Vemos que hoje muita gente se sensibiliza ao ver um animalzinho abandonado nas ruas ou até mesmo que possa estar sendo vítima de maus tratos, porém, a ânsia de querer fazer um registro e postar nas redes sociais acaba não surgindo o efeito necessário, que é de fato ajudar aquele bichinho. Além de fazer as postagens em páginas próprias, grupos ou perfis de ativistas, é preciso “marcar” as autoridades que podem estar atuando naquele caso”, explica Daniela Galvão, protetora animal que usa as redes sociais diariamente.

Daniela garante que quando as marcações são feitas, as chances de o animalzinho ser socorrido ou a denúncia ser apurada é bem maior:

“Postar por postar não vai adiantar nada e o animal vai continuar a sofrer. Vejo muita gente postando fotos e mandando para páginas e se passam alguns dias e o bicho continua no mesmo lugar. Aquela postagem, na verdade, só serviu para dar audiência pro dono da página ou do perfil. Em tese você não contribuiu pro animal e sim pro administrador da página ou dono do perfil até mesmo lucrar. Já quando a postagem vem acompanhada de uma marcação, quer seja diretamente no texto postado ou nos comentários, as autoridades responsáveis são avisadas e acabam sendo obrigadas a tomar uma atitude”, garante ela.

Casos de maus tratos valem para qualquer animal que sofre agressões físicas ou privação de comida, água, espaço físico para se movimentar ou quaisquer condições precárias de sobrevivência. Para estes casos é preciso marcar:

@prefeituradenilopolisoficial  (Facebook)  e @prefeituradenilopolis (Instagram)

Também é recomendável enviar denúncias diretamente para os órgãos. Em Nilópolis a Secretaria Municipal de Meio Ambiente mantém uma página no Facebook onde recebe as denúncias da população, para isto basta
CLICAR AQUI.

“É preciso nutrir os órgãos responsáveis com informações corretas, sempre informando o endereço onde ocorre os maus tratos e informando características do imóvel e do tutor, além de descrever o que de fato está ocorrendo”, disse Daniela.

Daniela aponta ainda que marcar as autoridades também pode ser feito, mas em último caso:

“Sabemos que muita gente acaba marcando os perfis e páginas do prefeito, vereadores, artistas e outros mais, porém, nem sempre aquela pessoa acaba vendo a postagem, muitos contratam assessores de imprensa que podem ou não responder de imediato, então recomendo que primeiro busque marcar a Prefeitura e enviar uma mensagem para a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e se realmente for um caso de extrema urgência, marque os nomes das autoridades que você conheça”, concluiu.

Já se você quer ser um voluntário da causa animal e quer ajudar de fato aos protetores ou simplesmente ser um multiplicador das informações, basta seguir https://www.facebook.com/rededeprotecaoaosanimais (Facebook) ou https://www.instagram.com/rededeprotecaoanimalnilopolis (Instagram). Nesses canais você poderá estar interagindo com pessoas atuantes na causa e através de mensagens privadas será possível se inscrever para ser um voluntário.

Denúncias também podem ser feitas diretamente na sede da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, que funciona dentro do Parque Municipal Natural do Gericinó (entrada pela Rua Antônio João Mendonça) ou através do telefone (21) 2692-3951. O atendimento é feito de segunda a sexta, das 9h às 16h.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais

%d blogueiros gostam disto: