Nilópolis Online
Notícias de Nilópolis todos os dias

Publicidade

Incompetência: Excesso de asfalto deixava bairro de Nilópolis sem água

Quando a gente pensa que já viu de tudo, sempre aparece algo para provar que ainda há mais coisas para acontecer. Os cerca de 2 mil moradores do bairro Santos Dumont sofreram nos últimos dez anos com problemas no abastecimento de água. As inúmeras reclamações contra a CEDAE, empresa estatal que até 2021 era a responsável pelo abastecimento, não surgiam efeito. De acordo com moradores, a empresa sempre dizia que o problema era o consumo alto.

Mas parece que, mais uma vez a incompetência era a real motivação para o problema. Desde 1º de novembro de 2021, a concessionária Águas do Rio assumiu os serviços de água e esgoto em Nilópolis, substituindo a CEDAE. Diferente do descaso que a antiga concessionária tratava os moradores do bairro Santos Dumont, equipes da concessionária Águas do Rio resolveram investigar o motivo da falta de água na localidade. E encontraram.

Após analisarem a rede de distribuição no bairro, os técnicos localizaram um registro que estava quebrado e soterrado por camadas de asfalto na Rua Vicente Celestino. O “achado” só foi possível após a empresa usar detectores de metais. Foi uma verdadeira caça ao tesouro e agora o abastecimento foi normalizado e os moradores do de Santos Dumont têm mais água na torneira.

De acordo com a Águas do Rio a descoberta da peça faz parte de um plano de estudo geográfico da concessionária na Baixada Fluminense, com o objetivo de melhorar o abastecimento na região. De acordo com o coordenador operacional da concessionária em Nilópolis, Aislan Miossi, o registro quebrado era um dos motivos para a baixa pressão na rede da região.

“Nós analisamos os cadastros e mapas do sistema de distribuição de água existentes e, baseados em nossa experiência, realizamos sondagens com detectores de metal. O registro foi localizado e estava há cerca de 60 cm de profundidade, com a comporta quebrada, o que obstruía a passagem da água, prejudicando de forma crítica o fornecimento”, relata Aislan.

Os técnicos realizaram os reparos necessários, que incluíram a desobstrução do registro, que passou a operar 24 horas por dia e agora faz parte do cadastro georreferenciado que a empresa está elaborando. O diretor executivo na Baixada, Vitor Hugo Gabriel, acrescenta que outros estudos estão sendo realizados para melhorar o abastecimento no bairro Santos Dumont.

“A descoberta desse registro e a liberação do fluxo na água na rede foi muito importante. Aproveitamos para iniciar a setorização desse trecho, ou seja, mapear a área de influência desse registro e acompanhar a vazão e os níveis de pressão que chegam aos imóveis. Dessa forma podemos identificar e corrigir alterações como perdas de água no sistema. Vamos continuar promovendo melhorias como esta, que resultam em avanços no saneamento básico e na qualidade de vida dos cidadãos da Baixada Fluminense”, afirma Vitor Hugo.

Água com mais pressão

Cláudio Abreu é morador do bairro e disse que já notou diferença no abastecimento:

“Já está com mais pressão na torneira e agora já vejo que a água está subindo na minha caixa. Antes para ela subir era preciso ligar a bomba, o que consumia energia elétrica. Que bom, pois o custo da conta estava muito alta”, disse.

Ao ser informado sobre o que causava o problema, Cláudio foi bem enfático:

“Incompetentes !!! Essa era a CEDAE, ainda bem que acabou”

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais