Nilópolis Online
Notícias de Nilópolis todos os dias

Publicidade

Supervia: Maquinistas usam os próprios celulares para se comunicarem com as estações em Nilópolis

Usar o aparelho celular é algo normal nos dias de hoje para a maioria das pessoas, inclusive no ambiente de trabalho, mas no caso da operação dos trens, a comunicação entre os maquinistas e a operação da ferrovia deve ser feita via rádio.

No caso deveria, pois a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) criada pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro – Alerj para investigar os serviços da SuperVia, responsável pela operação dos trens no estado, denunciou que os profissionais antes de saírem da estação de Olinda para a estação do Centro de Nilópolis, usam os próprios celulares ao invés de rádios para acompanharem a operação, o que acaba prejudicando o serviço prestado.

A informação foi divulgada na manhã desta segunda-feira (16) durante a audiência pública realizada para apurar irregularidades na operação do sistema ferroviário de passageiros.

Foram ouvidos o Presidente da Central Logística do Estado, Flávio Vieira, o presidente da Agência Reguladora de Serviços Públicos Concedidos de Transportes Aquaviários, Ferroviários, Metroviários e de Rodovias do Estado do Rio de Janeiro  (Agetransp), Murilo Leal, além de representantes da empresa.

A CPI é composta pelos Deputados Luiz Paulo (PSD), Martha Rocha (PDT), Lucinha (PSD) e Waldeck Carneiro (PT). A Supervia terá que apresentar quantas composições estão em uso e quantas em manutenção.

“O senhor tem conhecimento que o Maquinista para sair da estação de Olinda para a estação de Nilópolis, ele usa um telefone celular próprio? O senhor acha correto isso?”, disse a deputada Lucinha (PSD), presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito ao Presidente da Central Logística do Estado, Flávio Vieira.

O objetivo da CPI é sanar as reclamações de usuários a respeito de atrasos, interrupções do serviço, superlotação dos vagões e valor da tarifa. A presidência da CPI espera em breve, elaborar um relatório final para concluir as investigações.

A SuperVia, afirmou, por meio de nota, que não autoriza a utilização desse tipo de comunicação, via aparelhos móveis particulares, e que oferece equipamentos necessários para os colaboradores e destacou que podem haver consequências para quem não seguir as regras.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais